Você sabe o que é geomarketing? Entenda mais!

Nesta postagem você vai esclarecer todas as suas dúvidas sobre o que é geomarketing, um recurso importantíssimo, especialmente para o comércio. Tanto isso é verdade que, no passado, muitas redes utilizavam os dados demográficos para identificar a melhor localização para abertura de uma nova loja e prever a demanda.

A geolocalização ampliou os horizontes desse tipo de análise e agregou novas possibilidades a ela. Na atualidade, a tecnologia permite ir muito além dessa função básica.

Você vai entender isso logo nos primeiros tópicos e, na sequência da leitura, vai conhecer as aplicações da geolocalização no marketing. Confira!

O que é geomarketing?

Se você já conhece o termo pode se surpreender com este primeiro tópico. É que, inicialmente, ele foi usado para se referir à análise de público de certa região. O objetivo era embasar a abertura de lojas nas proximidades de forma semelhante a qual usávamos os dados demográficos. Desse modo, era possível levantar a viabilidade do investimento.

Essa continua como uma função importante. Contudo, com a popularização dos smartphones, que registram a localização de seus proprietários continuamente, o conceito se ampliou na mesma medida que as possibilidades criadas por essa ocorrência.

Por isso, quando falamos de geomarketing, nos referimos à inteligência de localização aplicada ao marketing. Desse modo, as campanhas podem ser desenvolvidas com base em dados sobre localização para melhorar o desempenho.

Nas versões mais elaboradas, as empresas se utilizam de dados de big data sobre a movimentação das pessoas e podem desenvolver ações direcionadas e, portanto, mais efetivas. Desse modo, favorece os resultados de venda, de relacionamento e de fidelização.

Ao mesmo tempo, organizações de vários segmentos também utilizam os recursos do geomarketing para acompanhar o comportamento do consumidor em relação à concorrência, identificando visitas em lojas rivais, por exemplo.

Quais os benefícios do geomarketing?

O primeiro benefício do geomarketing é a possibilidade que ele abre para a segmentação regional. Quando uma loja faz uma divulgação no meio digital, ela pode atingir consumidores do mundo inteiro, algo que gera prejuízo nas campanhas pagas e, em algumas situações, até inconvenientes para o cliente e a empresa.

Ao segmentar esse tipo de ação na região que interessa, ela atinge apenas os consumidores presentes nas redondezas ou que pesquisam por empresas naquela localidade. O aproveitamento é maior em termos de investimento e esforço.

Além disso, quando você usa os dados de geomarketing, está considerando as pessoas que realmente transitam pela região. Afinal, celulares não andam sozinhos.

De outro lado, quando você utiliza dados cadastrais internos ou externos, como cadastro de clientes e dados do senso, por exemplo, pode estar interagindo com pessoas que se mudaram ou que, por algum motivo, forneceram endereços incorretos. Desse aspecto, o geomarketing pode servir até para apontar possíveis erros cadastrais.

Mas também existem vantagens operacionais se você trabalha com delivery.

A Domino’s Pizza, por exemplo, garante a entrega em 30 minutos e não cobra o produto se não conseguir cumprir o prazo. Sem a geolocalização, seria difícil identificar o local ideal para uma loja e oferecer essa vantagem. Além de tudo, isso evita trotes e facilita a logística que, no caso da pizzaria americana, por exemplo, é bastante complexa em razão da garantia.

Outro ponto é que, como estamos tratando de informações disponíveis no big data, é possível combinar dados de perfil do cliente com sua localização. Isso permite saber a quantidade de idosos presentes nas redondezas, por exemplo.

Como aplicar o geomarketing?

Para entender com facilidade as práticas de geomarketing, o melhor é conhecer as diferentes maneiras de utilizar essa tendência forte para o varejo. Confira:

Geotargeting

É a forma mais elementar do geomarketing. Consiste em segmentar públicos de acordo com a sua localização para promover seu negócio junto a esses consumidores. O geotargeting permite direcionar anúncios para quem está na região atendida pelo seu negócio.

O Google Adwords e o Facebook Ads oferecem a possibilidade de segmentar seu investimento em mídia paga nas regiões de seu interesse e, desse modo, otimizá-lo. O Google também permite que você configure a localização por meio do Google Meu Negócio. É uma opção gratuita e muito útil que permite inserir fotos, telefone e horário de funcionamento, por exemplo.

Site personalizado

Lembra-se da última vez que você entrou em um site e lhe foi solicitada permissão para identificar sua localização? Pois bem, o objetivo dessa medida é oferecer conteúdos personalizados.

Nesse caso, uma rede de lojas pode apresentar apenas os estabelecimentos mais próximos. Em algumas situações, também podem ocorrer promoções localizadas ou mesmo a sugestão de preenchimento de campos de formulários, como cidade e bairro.

Saiba que essa utilidade depende da autorização do usuário e que ela se baseia no endereço de IP, que pode não ser muito preciso.

Geofencing

Nesse caso, já se trata de uma localização efetuada por GPS e não mais por IP. Com base nessa informação, é possível oferecer conteúdo de acordo com a movimentação do consumidor. Digamos que você está caminhando em direção a sua casa e, ao se aproximar da padaria, recebe uma mensagem avisando que saiu pão quente.

Esse tipo de ação é possível e é chamado de geofencing. Pode resultar em uma notificação no celular, e-mail, ou SMS. Nesse caso, é preciso desenvolver um aplicativo com a sua marca e estimular que ele seja baixado pelos seus clientes. Ao fazê-lo, ele autorizará o compartilhamento de localização no processo.

Check-ins

O check-in é muito popular no Facebook, mas depende da ação do usuário. Por isso, é mais viável nos casos em que ele tem uma motivação para informar sua presença em um estabelecimento.

A grande vantagem é que ele divulga o negócio para sua rede de contatos. Uma opção é oferecer Wi-Fi gratuito para quem efetua o check-in, o que é configurado no roteador.

Em eventos, o resultado também costuma ser ótimo. Demonstrações de maquiagem, dias de ofertas de cosméticos, por exemplo, podem solicitar o check-in para participação em sorteios ou promover outros estímulos.

Geotagging

Quando um usuário publica algo no Facebook ou no Instagram, ele pode marcar o local onde se encontra. Do mesmo modo que o check-in, depende de sua ação. Porém, nesse caso, a forma de incentivo é efetuando promoções que solicitem a marcação para terem validade, como no exemplo dos eventos.

Geofiltros

Os geofiltros são parecidos com o geotagging, mas são um recurso do Snapchat, muito usado pelos mais jovens. Eles funcionam com base na localização identificada por GPS, mas as empresas também podem criar geofiltros e disponibilizá-los com a sua marca.

Agora que você sabe em detalhes o que é geomarketing, basta identificar quais das modalidades se encaixam no seu negócio e elaborar a sua estratégia de utilização. Como em todas as ações de marketing, o importante é sempre partir dos hábitos do seu público e, com a inteligência de localização, conhecê-los melhor e ampliar os seus resultados.

São informações uteis para qualquer negócio, não é mesmo? Compartilhe esta postagem e as divida com seus amigos.



Deixe uma resposta

1 × 3 =